Canção de ninar, Leïla Slimani


18/02/2019
Aline Nascimento

Quem cuida dos seus filhos quando você não está olhando? Apesar da relutância do marido, Myriam, mãe de duas crianças pequenas, decide voltar a trabalhar em um escritório de advocacia. O casal inicia uma seleção rigorosa em busca da babá perfeita e fica encantado ao encontrar Louise: discreta, educada e dedicada, ela se dá bem com as crianças, mantém a casa sempre limpa e não reclama quando precisa ficar até tarde. Aos poucos, no entanto, a relação de dependência mútua entre a família e Louise dá origem a pequenas frustrações – até o dia em que ocorre uma tragédia. Com uma tensão crescente construída desde as primeiras linhas, Canção de Ninar trata de questões que revelam a essência de nossos tempos, abordando as relações de poder, os preconceitos entre classes e culturas, o papel da mulher na sociedade e as cobranças envolvendo a maternidade. Publicado em mais de 30 países e com mais de 600 mil exemplares vendidos na França, Canção de Ninar fez de Leïla Slimani a primeira autora de origem marroquina a vencer o Goncourt, o mais prestigioso prêmio literário francês.

Essa resenha faz parte do #ProjetoPL
Eles têm a sensação de ter encontrado uma pérola rara, de terem sido abençoados. Claro, o salário de Louise pesa no orçamento familiar, mas Paul não se queixa mais. Em algumas semanas a presença de Louise se tornou indispensável.
Nesse momento ela tem a convicção íntima, a convicção ardente e dolorosa de que sua felicidade pertence a eles. Que ela é deles, e eles são dela.
O bebê está morto. Essa é a primeira frase do livro Canção de Ninar da autora Leïla Slimani; ou seja, não há mistério nessa história, a babá Louise matou duas crianças, crianças que ela deveria cuidar e proteger.

Já sabendo como será o termino dessa história vamos adentrando nas vidas de Myriam e Paul, eles constituiram uma família, são pais de Adam um bebê e Mila de apenas cinco anos. Devido a maternidade Myriam acabou deixando sua vida profissional de lado e dedicando-se integralmente essa nova fase da sua vida, porém ela já senti-se preparada e tem muita vontade de voltar para o mercado de trabalho, desse modo ambos concordam que devem primeiro encontrar a babá perfeita que atenda alguns requisitos. Afinal eles precisam de alguém de confiança para cuidar dos seus filhos.

Após várias entrevistas Louise é a babá escolhida, com o passar dos dias o casal não poderia estar mais feliz com a escolha, Louise se mostra uma babá perfeita não apenas dando conta e disciplinando as crianças como também tornado a casa da família um lugar receptivo e agradável a todos. Consequetemente com tantos cuidados o casal agora consegue ter tempo para eles e dedicar cada vez mais a suas vidas profissionais.

Aos poucos Louise vai tornando-se insubstituível, vai tomando conta do lugar, vai tornando-se algo maior dentro daquela família, em alguns momentos eles se sentem incomodados com tanta liberdade, mas ao mesmo tempo se sente na mão dela, afinal ela torna tudo mais fácil dentro daquela casa. 

O diferencial dessa história é já começarmos sabendo aonde essa trama irá nos levar, mesmo assim continuamos a leitura querendo saber o que levou uma babá cometer um crime tão brutal.

Uma história que vale a pena ser lida.

Observações sobre autora/livro:

Leïla Slimani nasceu em 1981 é uma escritora francesa e jornalista de ascendência marroquina. Em 2016, ela foi premiada com o Prix Goncourt por seu romance Chanson douce. 
Slimani nasceu em Rabat, Marrocos e estudou estudos de ciência política e mídia em Paris. Depois disso, ela considerou temporariamente uma carreira como atriz e começou a trabalhar como jornalista para a revista Jeune Afrique. Em 2014, ela publicou seu primeiro romance Dans le jardin de l'ogro, que dois anos depois foi seguido pelo thriller psicológico Chanson douce. Este último rapidamente se transformou em um best-seller com mais de 450.000 cópias impressas dentro de um ano antes mesmo de o livro ser premiado com o Prix Goncourt. Slimani detém uma cidadania francesa e marroquina.

Canção de ninar foi publicado no âmbito do Programa de Apoio à Publicação 2018 do Instituto Francês do Brasil, contou com o apoio do Ministério Francês da Europa e das Relações Exteriores. A publicação brasileira do selo TusQuets Editores (Editora Planeta) possui um total de 191 página.

Prêmio Goncourt
O Prêmio Goncourt (em francês: Prix Goncourt) é um prêmio literário da França, criado pelo testamento Edmond de Goncourt em 1896. A Sociedade Literária dos Goncourt foi fundada oficialmente em 1902 e o primeiro prêmio Goncourt foi concedido no dia 21 de dezembro de 1903.
A premiação é atribuída a um romance para recompensar todos os anos o melhor livro de imaginação em prosa. É o prêmio literário mais cobiçado na França. Os membros da Academia Goncourt reúnem-se a cada primeira terça-feira do mês no restaurante Drouant em Paris. O nome do laureado é proclamado no início de novembro após um almoço no restaurante.
Quatro outros prêmios são também atribuídos: Prix Goncourt du Premier Roman (primeiro romance), Prix Goncourt de la Nouvelle (contos), Prix Goncourt de la Poésie (poesia) e Prix Goncourt de la Biographie (biografia). Destes "seis grandes" prêmios literários franceses, o Prix Goncourt é o mais conhecido e mais prestigiante.

Aos dezessete anos, Ava Dellaira


12/02/2019
Brubs.

Em seu novo romance arrebatador, a autora de Cartas de amor aos mortos apresenta uma mãe e uma filha que precisam compreender o passado para poder seguir em frente.
Quando tinha dezessete anos, Marilyn viveu um amor intenso, mas acabou seguindo seu próprio caminho e criando uma filha sozinha. Angie, por sua vez, é mestiça e sempre quis saber mais sobre a família do pai e sua ascendência negra, mas tudo o que sua mãe contou foi que ele morreu num acidente de carro antes de ela nascer.
Quando Angie descobre indícios de que seu pai pode estar vivo, ela viaja para Los Angeles atrás de seu paradeiro, acompanhada de seu ex-namorado, Sam. Em sua busca, Angie vai descobrir mais sobre sua mãe, sobre o que aconteceu com seu pai e, principalmente, sobre si mesmo.

Marilyn viveu um grande amor aos dezessete anos; desse amor nasceu Angie e por escolha própria resolveu criar sua filha sozinha. Angie cresceu sabendo pouca coisa sobre seu lado paterno, porém sempre teve curiosidade. Angie se envolveu com Sam, um namorado no qual sua mãe não aceitava muito. O que Angie não sabia era que sua mãe sofreu muito quando nova, tinha uma mãe que queria que ela fosse famosa, viviam mudando de casa, pois nunca tinham dinheiro suficiente. Marilyn era obrigada pela mãe a ser modelo, atriz... Sofreu abusos dos produtores, e sua mãe achava normal, mas o que Marilyn realmente queria era ser fotógrafa. Marilyn conheceu o pai de Angie na sua adolescência aproveitava cada minuto com ele, era onde encontrava paz, porém tudo mudou.

Aos dezessete anos, é um livro que me chamou atenção por ser da mesma autora de Cartas de amor aos mortos. O livro nos traz uma relação difícil de mãe e filha, uma nova geração no qual a filha não sabe o que realmente aconteceu com seu pai e vai atrás de resposta.
É divido em partes, parte que narra a história de Marilyn no qual é a melhor em minha opinião e na outra parte que é da Angie, onde é focada a maior parte da história, Angie foge com seu ex-namorado em busca de resposta do pai, será que essas respostas serão positivas? Angie é uma garota teimosa, que para mim pareceu que só pensava em seu próprio umbigo, já sua mãe com todo defeito é doce e vive pela filha.

A história tinha tudo para ser boa, mas foi uma decepção; a história se estendeu muito e perdeu todo o encanto que eu tinha antes de iniciar leitura, cheguei a quase abandoná-lo, mas insiste fui até o fim, mas não teve um grande acontecimento na história, foi mais do mesmo. Mas indico a leitura a todos vai que da certo para você?!

Observações sobre autora/livro:

Ava Dellaira é formada pela Universidade de Chicago e mestre pela Iowa Writers’ Workshop. Ela cresceu em Albuquerque, no Novo México, onde passou incontáveis tardes de verão fazendo poções mágicas, lutando contra bruxas más e se divertindo com outras brincadeiras inventadas, que provavelmente contribuíram para que se tornasse uma contadora de histórias. Atualmente vive em Santa Monica, na Califórnia, onde trabalha na indústria cinematográfica e escreve seu segundo romance. Aos dezessete anos foi publicado pelo selo Seguinte (Companhia das Letras) no ano de 2018 com 448 páginas. Classificação: 2/5

Milagres do Paraíso


31/01/2019
Brubs.

Ano: 2016
Dirigido: Patricia Riggen
Duração: 109 minutos
Gênero: Drama

Sinopse: O filme conta a história de uma família cuja filha de 10 anos é diagnosticada com uma doença rara. Após passar por vários médicos tentando encontrar a cura, ou pelo menos um alívio para a doença, a garota se recupera milagrosamente após um acidente. A história é baseada no livro Three Miracles From Heaven, escrito por Christy Beam, mãe da garota.

Sem saber o que assistir de noite, enquanto estava brincando com meus gatos, alheia ao que estava passando na TV, esse filme começou e do nada comecei a prestar atenção e me vi presa a ele.

Annabel sofre de uma doença rara no organismo, ela não digere os alimentos que consome, o médico diz aos seus pais que não há cura. Os pais perdem o chão, sua mãe perde a fé, dúvida de Deus, mas mãe é mãe, sendo assim ela leva Anna a outra cidade, enfrenta tudo e todos. Não vou falar mais porque vou acabar falando muito, quero que vocês assistam ou leia o livro.

O filme, fala de fé, força, gratidão, esperança, amor ao próximo, milagres e etc. Me fez chora do inicio ao fim, simplesmente amei. Só posso dizer que: o poder de Deus é imenso.

Então caso não tenha assistido ainda fica minha dica para sua lista de filmes para esse final de semana.

AQUI você encontra mais dicas de filmes e séries.

Adeus Ano Velho! Feliz Ano Novo! #Bruna Estevam


24/01/2019
Brubs.

Oi seus bonitos, tudo bem?
Ando sumida eu sei, não me matem....Vida corrida, faculdade, então não tem como não sumir às vezes, mas tento retornar nas férias e agradeço a Aline por me entender <3

Antes de ir ao ponto, quero desejar a vocês um 2019 repleto de coisas boas, positividades, realizações e blá, blá blá (assisti muito Hotel Transilvania esses dias).
Nesse post vim falar um pouco das minhas leituras de 2018, que foram poucas, porém ótimas, minha meta era ler 60 livros, mas li 28.
Para esse ano não estipulei meta, vou deixar a leitura me levar. Dentro dessas leituras, devo dizer que teve leituras ótimas, com decepções e até abandonos... Mas nossa vida de leitor é assim mesmo e que graça teria se gostássemos de tudo que lemos, não teríamos identidade não é mesmo? 

Vou ressaltar alguns livro que li:

Decepção: Saga - A Seleção - Tinha tudo para ser boa e na verdade até o terceiro livro, o resto foi "encheção de linguiça"; perdeu totalmente a graça. A autora escreve bem e soube manter sua identidade nos primeiros volumes, mas, depois se perdeu totalmente, na minha opinião deixou muito a desejar, tornando-se cansativo e com romance bem morno. No momento quando li pela primeira vez até gostei, mas depois com o passar do tempo, perdeu a graça...

Surpreendeu: 13 segundos - Foi minha última leitura do ano confesso que morro de medo de ler algo de youtuber mas a Bel me surpreendeu, eu amei o livro, achei bem fofinho, mas confesso que o fim me deixou com gosto de quero mais.

Amei: O ódio que você semeia, Jesuuuuus que livro fodástico esse!!! Sem palavras para falar dele, simplesmente leiam, por favor!!!!!

Mas diz ai, quais livros que foram para vocês uma decepção, que surpreendeu e que você amou? Deixa nos comentários.

Metas Literárias 2019


22/01/2019
Aline Nascimento

Infelizmente essa postagem está saindo mais tarde do que o planejado, afinal essas metas já estão feitas desde dezembro; esse é o terceiro ano que trago aqui no blog minhas metas literárias, confesso que estou bem animada para cumprir todas essas metas. 

1ª meta: 12 livros para 2019.
Confira aqui os livros escolhidos.


2ª meta: Ler 50 livros
No ano passado cheguei ao total de 45 livros lidos, estou bem confiante em alcançar enfim os 50 livros lidos.

3ª meta: Ler 12 livros nacionais
Meta alcançada em 2018, então vamos manter.

4ª meta: Ler 5 clássicos.
Com o passar do tempo meu "gosto" literário vem mudando bastante, e clássicos estão fazendo meus olhos brilhar cada dia mais.

5ª meta: 03 livros não-ficção.
É algo que quero acrescentar nas minhas leituras de 2019. Seja biografias, mémorias, poesias e afins.

6ª meta: 05 autores.
Decidi escolher cinco autores que quero ter contato durante esse ano, são eles: Jorge Amado, Victor Hugo, Charles Dickens, Octavia E. Butler e Irmãs Brontë.

7ª meta: 05 quadrinhos.
Quero que 2019 seja um ano de muita diversificação nas minhas leituras dessa forma quero encaixar hqs, que terão objetivo de tornar minhas leituras mais leves e agradáveis.

Essas são minhas 7 metas escolhidas para 2019, e você qual sua principal meta literária para 2019?


Parceria Cleia Lira


18/01/2019
Aline Nascimento

A postagem de hoje é para falar de mais uma parceria que o Divagando Palavras conquistou, dessa vez a parceria é com a autora Cleia Lira, autora que eu tenho o prazer de conhecê-la e que já tive oportunidade de ler alguns dos seus livros. Como alguns de vocês sabem um dos objetivos desse blog é ler mais literatura nacional, sendo assim fico muito feliz com essa oportunidade e confiança que a Cleia depositou no DP. Abaixo falo um pouquinho mais da vida e obras dessa escritora que já possui um catálogo recheado. 

Cleia Lira
Nasceu numa pequena cidade do interior de São Paulo chamada Arco-íris. Porém, adotou Sumaré como sua cidade do coração, onde se casou e teve duas filhas. É professora por profissão e escritora por vocação e, nas horas vagas, lê. Na verdade, segundo meu marido, devora os livros. Esse é o seu maior vício. Quando começa, não consegue parar de ler. E foi assim que se tornou uma escritora. Leu tanto que um dia procurou uma história diferente para ler e, como não achou, resolveu escrevê-la e alguns meses depois surgiu seu primeiro livro: Sob Sua Proteção.


Sob sua Proteção
A jovem Mila tinha um sonho: ser bailarina! Mas para uma moradora do Morro do Alemão isso era quase impossível. Porém no seu aniversário de 18 anos ela conseguiu o que parecia o presente perfeito, mas transformou-se no seu pior pesadelo. Sua vida que não era fácil ficou insuportável e quando se vê perdida, o jovem investigador da polícia federal, Nick entra em ação para protegê-la e o que era apenas uma missão, tornou-se sua razão de viver e agora ele será capaz de dar sua vida por ela.


Série: Os Garotos de Jersey
A série conta a história da banda The Dangers e seus integrantes, cada livro foca na história de um dos integrantes da banda. O primeiro: Apenas Uma Vez é sobre o Jack, o vocalista. O segundo, Perdido é sobre o guitarrista, Jonas. O terceiro Um Recomeço é sobre o baterista, Freddy e o quarto Quando Encontrei Você é sobre o baixista Bob. O último livro ainda não tem capa, mas será sobre o tecladista Rick. Todas as histórias tem capítulos para degustação no meu perfil no Wattpad.



Entre Amor & Laço
Quando estava prestes a entrar na faculdade, Laís teve uma grande mudança em sua vida. A garota da cidade, agora morava na fazenda. A sua rotina e amizades mudaram, mesmo sem a sua permissão, essa temporada na casa da sua tia promete muitas surpresas e aventuras, uma delas é um certo peão de rodeio, que deixava todas as garotas caidinhas por ele. Mas por um capricho do destino é um dos seus primos.





Um conto quase de fadas (Contos Modernos #1)
Um encontro inusitado, duas pessoas que nunca poderiam ficar juntas, um baile de máscaras, o beijo inesquecível, a noite mais quente que eles já experimentaram.
E agora? O que fazer com a avalanche de sentimentos que apareceu no dia seguinte...?




Esses são apenas alguns dos livros da Cleia para conhecer todas suas histórias disponíveis acesse o site AQUI.
Confira a resenha já disponível aqui no DP do conto O despertar de um amor
Em breve trago mais resenhas e novidades da autora. 

Contatos:
Leitura conjunta: Apenas uma vez
Facebook: Cleia Lira
Wattpad: cleialira
E-mail: escritoracleialira@gmail.com

Aonde adquirir os livros:
Loja online 

O problema do para sempre, Jennifer L. Armentrout


15/01/2019
Brubs.

Mallory viveu muito tempo em silêncio. Mas o destino lhe reserva um novo desafio. E ela percebe que está na hora de encontrar a própria voz.
Já na infância, Mallory Dodge percebeu que só poderia sobreviver se ficasse calada. Teve que aprender a ficar o mais quieta possível. Aprendeu a passar despercebida. A se esconder. Mas agora, após ter sido adotada por pais amorosos e dedicados, ela precisa enfrentar um novo desafio: sobreviver ao último ano do Ensino Médio numa escola de verdade. O que Mallory não imaginava é que logo no primeiro dia de aula daria de cara com um velho amigo que não via desde criança, quando viviam juntos no abrigo. E começa a notar que não é a única que guarda cicatrizes do passado, além de uma paixão adormecida e inevitável.

Quando iniciei a leitura desse livro eu esperava uma leitura mais apaixonante, não que o mesmo não tenha sido, foi uma leitura muito boa mas esperava um pouco mais...

O problema do para sempre nos mostra a história de Mallory, ela viveu uma infância muito difícil não sofreu violências em sua antiga casa, mas sempre tinha uma anjo que a defendia e protegia que era seu amigo Rider. 
Rider era tão pequeno quanto Mallory mas já sabia o que acontecia a sua volta... até que um acidente aconteceu e a separou desse "inferno" onde morava e também separou de seu melhor amigo e protetor. Mallory logo foi adotada por uma família que a cuidou muito bem, porém depois de vários dias de tratamento devido, depressão, medo do mundo e etc... Mallory decide por conta própria seguir sua vida e dar uma segunda chance ao mundo,irá terminar seus estudos em uma escola, até porque estudava em casa com professores particulares, chegando na escola com quem ela se depara? Isso mesmo com Rider, vários sentimentos voltam a tona e ela se vê sem saber o que fazer, sentir e se comportar.

Esse é um livro com tema bem forte, a história de Mallory e Rider mexe muito com o emocional, tudo o que eles passaram e vão passar com o caminhar da história é algo lindo e edificante, são dois personagens que crescem bastante com andar da história. A autora trouxe algo para nos fazer pensar, porque isso é algo real, sabemos que acontece em muitas famílias sendo adotivas ou não, violências de todos os tipos é algo que infelizmente existe e é isso que o livro vem tratar...

Mallory e Rider são as estrelas do filme, se encontram depois de anos, sentimentos fortes os envolvem, mas será que é algo verdadeiro, sólido ou só é algo antigo e que não durará... E os pais adotivos de Mallory vão aceitar Rider? Mallory irá se fechar de novo? Rider continuará sendo protetor? São perguntas que nos rondam na leitura desse livro.

O problema do para sempre é um livro que dei 4 estrelas, demorei bastante para concluir a leitura mas foi por causa da faculdade, com certeza é um livro que indico, em alguns momentos a leitura torna-se cansativa, mas em suma foi um ótimo livro.

Observações sobre autora/livro:

Jennifer L. Armentrout, também conhecida como J. Lynn, é autora #1 do New York Times e do USA Today e best seller internacional, além de ter conquistado vários prêmios e um dos seus livros ser considerado o melhor do ano em ficção YA pela YALSA. Vive no oeste da Virginia. Quando não está escrevendo, ela passa seu tempo lendo, trabalhando, vendo filmes de zumbis, e fingindo escrever. Ela divide sua casa com o marido, um parceiro K-9 chamado Diesel, seu hiper Jack Russell Loki, e sua tartaruga de estimação chamado Michelangelo. Seu sonho de se tornar autora começou na aula de álgebra, onde ela passou o tempo escrevendo contos. Jennifer escreve livros adultos e Jovens adultos, fantasia e romance. O problema do para sempre foi publicado no Brasil pelo selo Galera Record em 2017 com um total de 392 páginas. Classificação: 4/5.