o morro dos ventos uivantes, Emily Brontë


04/12/2018
Aline Nascimento

O morro dos ventos uivantes é a história inesquecível de um amor que nasceu na infância entre Catherine Earnshaw e Heathcliff, orfão adotado pelo pai da jovem e levado para Wuthering Heights, a propriedade da família. Enquanto Catherine cria laços fortes com Heathcliff, o irmão dela, Hindley, o despreza, tratando-o como um rival. Heathcliff cresce dividido entre o amor por Catherine e a raiva por todas as humilhações às quais é submetido. Uma situação que o obriga a tomar uma decisão que mudará sua vida. 
Em meio a violência de uma tempestade de verão, ele abandona Wuthering Heights. Passa os três anos seguintes longe, e durante esse período, Catherine se casa, apesar de seu coração ainda pertencer a Heathcliff. Ao voltar para o seio de sua família adotiva, ele é um homem mais forte e maduro, pronto a impor a seus velhos inimigos uma vingança tirânica, que por anos manteve reprimida.
Livre das convenções sociais de seu tempo e com uma intensidade emocional sem precedentes, O Morro Dos Ventos Uivantes é um romance original e profundamente trágico, que se consagrou como uma das maiores obras da literatura britânica do século XIX.

Essa resenha faz parte do projeto #1001livrosDP
O Sr. Heathcliff será um homem? E se o é, será louco? E se não é louco, será um demônio?
Geralmente quando um livros torna-se um dos preferidos é muito difícil expressar em palavras os motivos que o tornou tão importante para você. Esse é o caso do livro O morro dos ventos uivantes escrito pela britânica Emily Brontë que morreu tão jovem aos trinta anos; tendo essa história como seu único romance.

O morro do ventos uivantes foi escrito para ser uma história de amor? Talvez. Não sabemos, mas o que lemos em suas páginas nada mais é do que uma história sombria, tenebrosa e doentia. Ao acompanhar as vidas de Catherine e Heathcliff assim como todos personagens envolvidos nessa trama é palpável uma neblina cinza e vento gelado que envolve Wuthering Heights, em vários momentos somos levados aos cenários escritos por Emily.

Heatcliff ao longo da vida torna-se um homem cruel, doentio tendo como único objetivo a vingança. Catherine é uma jovem intragável, manipuladora e culpa todos pelas suas dores. Um livro com tantos personagens frios, mesquinhos e intoleráveis teria tudo para ser um história enfadonha, monótona, mas na mão de Emily isso não acontece, foi um livro que devorei, em vários momentos me pegava pensando aonde aquele história me levaria. A ligação e o ciclo criado pela autora é algo incrível. Acredito que o que mais me impactou nessa história foi não conseguir ter nenhuma afinidade com os personagens, mas ao mesmo tempo estar tão ligada emocionamente nessa história.

Enfim como já disse no começo é difícil expressar todas as emoções que esse livro me proporcionou, assim como é difícil explicar como O morro do ventos uivantes virou um dos livros favoritos da vida mesmo não gostando praticamente de nenhum persoagem, só tenho agradecer essas maravilhas que a literatura me proporciona. Ah, é não se pressione eu super entendo que já leu e não gostou afinal O morro dos ventos uivantes não é uma história de amor, mas caso ainda não leu, leia e tire suas próprias conclusões, mas de verdade espero que você se envolva asim como eu.

Observações sobre autora/livro:

Emily Jane Brontë, nasceu em 30 de Julho de 1818 em Thornton na Inglaterra, foi uma escritora e poetisa, autora do romance Wuthering Heights (O morro dos ventos uivantes), hoje considerado um clássico da literatura  mundial. Era a segunda irmã mais velha das três sobreviventes irmãs Brontë, entre Charlotte e Anne. Wuthering Heights (O morro dos ventos uivantes) foi publicado em 1847 sob o pseudônimo masculino de Ellis Bell. A estrutura do romance e o clima tenso da história levaram a que os críticos não compreendessem e não valorizassem por completo a obra. A violência e a paixão do livro levaram o público vitoriano e alguns dos primeiros críticos que o leram a acreditar verdadeiramente que tinha sido escrito por um homem. Segundo Juliet Gardiner: "a paixão sexual vívida e poder da sua linguagem e descrição impressionaram, deixaram perplexos e chocaram os críticos".Embora tenha recebido críticas na época em que foi lançado, posteriormente o livro foi incluído no cânone dos clássicos da literatura inglesa. Recebeu várias versões oficiais no cinema e inúmeras adaptações. Apesar de uma carta da sua editora indicar que Emily tinha começado a escrever um segundo romance, o manuscrito nunca foi encontrado. É possível que Emily, ou um membro da sua família o tenha destruído, se é que alguma vez existiu, quando a doença a impediu de o terminar. Classificação 5/5

Comentários via Facebook

9 comentários:

  1. Super amei *U*

    Beijos,
    www.thalitamaia.com

    ResponderExcluir
  2. Olá, Aline.
    Esse livro divide opiniões. Eu li na época de Crepúsculo e confesso achei muito chato. Quase que não consigo terminar. Mas acho que foi por eu estar esperando um romance fofo e encontrei aquilo hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  3. Oi Aline, tudo bem?
    Os personagens são um dos principais fatores pra eu curtir uma leitura, então fiquei intrigada sobre essa sobra e como ela consegue conquistar o leitor com protagonistas tão mesquinhos/egoístas.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  4. Oi, Aline

    Eu tentei ler o livro de tanto ele ser mencionado pela Bella em Crepúsculo, mas não consegui termina-lo. Acho que fui tentar ler pelos motivos errados e pretendo tentar novamente mais para frente. Algumas histórias são assim mesmo, mexem com a gente mesmo com personagens complicados.

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  5. É um dos meus livros favoritos da vida.
    E ao ler sua resenha, deu tanta vontade de reler ele. ♥
    Beijos
    https://recolhendopalavras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi, Aline! Tudo bem?

    Eu li este livro há uns três anos e quase nunca falo sobre ele por justamente ter essa confusão. Acho difícil explicar para os outros porque eu o adoro tanto. Esse jeito de mostrar personagens que amam intensamente, mas que podem se tornar tão cruéis e frios é extremamente interessante. É impossível amar incondicionalmente qualquer um dos personagens, mas me sinto amarrada pela história. É verdadeiramente incrível.

    Beijos,
    Blog Magia é Sonhar
    Canal Magia é Sonhar

    ResponderExcluir
  7. Oi
    que bom que gostou da leitura, confesso que tentei ler esse livro e fui até a metade, mas não consegui e acabei abandonando, depois até dei ele para uma prima. São Opiniões diversas que leio desse livro.

    http://momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Aline!
    Nossa, li esse livro há muitos anos, mas comprei uma edição nova recentemente e quero reler, porque foi uma experiência positiva pelo que me lembro.
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Oie Aline =)

    O Morro dos Ventos Uivantes foi quase uma prova de persistência no meu caso. Abandonei um livro três vezes antes de finalmente me encantar pela trama e conseguir levar a leitura até o final.

    Não é o tipo de leitura fácil e fluida com qual estamos habituados e o relacionamento dos protagonistas está longe de ser considerado algo saudável.

    Porém existe uma beleza na obra que depois que você a compreende a torna única.

    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir