Cartas de amor aos mortos, Ava Dellaira


21/12/2017
Brubs.

Tudo começa com uma tarefa para a escola: escrever uma carta para alguém que já morreu. Logo o caderno de Laurel está repleto de mensagens para Kurt Cobain, Janis Joplin, Amy Winehouse, Heath Ledger, Judy Garland, Elizabeth Bishop… apesar de ela jamais entregá-las à professora. Nessas cartas, ela analisa a história de cada uma dessas personalidades e tenta desvendar os mistérios que envolvem suas mortes. Ao mesmo tempo, conta sobre sua própria vida, como as amizades no novo colégio e seu primeiro amor: um garoto misterioso chamado Sky. Mas Laurel não pode escapar de seu passado. Só quando ela escrever a verdade sobre o que se passou com ela e com a irmã é que poderá aceitar o que aconteceu e perdoar May e a si mesma. E só quando enxergar a irmã como realmente era — encantadora e incrível, mas imperfeita como qualquer um — é que poderá seguir em frente e descobrir seu próprio caminho.

A arte de perder não é nenhum mistério. Pág 167
As histórias mudam conforme crescemos. Às vezes elas não fazem sentido. Pág 179
Cartas de amor aos mortos foi um livro que me chamou atenção desde seu lançamento, eu nunca li nenhuma resenha dele, por medo de não ser o que eu esperava, acabei ficando no escuro. Nessa última Black Friday, comprei o Lev e esse livro em questão foi o primeiro que baixei, estava super barato, na mesma hora iniciei a leitura e o que achei foi:

1.    Um verdadeiro banho de água fria, por ele não ser nada do que eu esperava.
2.    Me prendeu totalmente
3.   Uma personagem que eu não dava nada, no final ela se tornou tão madura que me surpreendeu.

No início da leitura eu realmente achei que seria um livro chato, bem juvenil, mas no final não. Laurel amadureceu e cresceu tanto que fiquei besta. Os personagens são bem descritos e cada um tem seu papel importante nessa história.

Achei super legal a forma inovadora das cartas aos mortos; no caso de Laurel é uma ótima forma de se reerguer, acho que esse tipo de “tratamento” ajudaria bastantes pessoas a curar uma depressão, pois faz que a pessoa tenha várias formas de pensar e vários tipos de visão.

A história em si foi sim, bem juvenil, mas tudo o que aconteceu mostrou bastante amadurecendo, e muito do que foi contado na história acontecem com os jovens. Foi uma leitura muito válida e recomendo que todos leiam.

Cartas de amor aos mortos, não tem suspense e nem terror como eu imaginava, é um livro de juvenil que nos deixam vários ensinamentos. Recomendo e muito!!!

Observações sobre o autor/livro:

Ava Dellaira é formada pela Universidade de Chicago e mestre pela Iowa Writers’ Workshop. Ela cresceu em Albuquerque, no Novo México, onde passou incontáveis tardes de verão fazendo poções mágicas, lutando contra bruxas más e se divertindo com outras brincadeiras inventadas, que provavelmente contribuíram para que se tornasse uma contadora de histórias. Atualmente vive em Santa Monica, na Califórnia, onde trabalha na indústria cinematográfica e escreve seu segundo romance. Carta de amor aos mortos foi publicado em 2014 pelo selo Seguinte da Editora Companhia das Letras com um total de 344 páginas. Classificação:4/5.

Comentários via Facebook

5 comentários:

  1. Oi Brubs,
    Eu li esse livro há alguns anos e foi uma das resenhas que eu mais amei fazer.
    O livro foi uma leitura bem impactante para mim, adorei relembrar a história.
    Acho que vou até reler.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. O livro parece uma boa opção de leitura! gostei muito do seu texto e me despertou interesse em ler. Quando a personagem amadurece no decorrer da história e ótimo. Bjss

    www.historiasdaiza.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Nunca li esse livro e também sempre tive curiosidade. Já vi muita gente dizendo que gostou bastante, inclusive amigas minhas. Tenho vontade de me aventurar nessa história também, hehe <3

    Beijo!
    https://controversios.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oie Brubs =)

    Eu gostei bastante desse livro, mesmo a protagonista me dando nos nervos às vezes rs...

    É uma narrativa dolorida e ao mesmo tempo bela.

    Beijos e Feliz Ano Novo ;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library  

    ResponderExcluir
  5. Oi Brubs! Faz tempo que quero ler esse livro, parece bem inovador mesmo e um livro bonito! Espero em 2018 conferir!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir