Memórias de um amigo imaginário, Matthew Dicks


29/11/2017
Brubs.

Enquanto Max acreditar em mim, eu existo. “Posso precisar da imaginação do Max para existir, mas tenho os meus pensamentos, as minhas ideias e a minha vida, tudo isso separado dele.”
“Max não gosta de gente da mesma forma que as outras crianças gostam. Ele gosta das pessoas, mas bem de longe. Quanto mais afastado alguém ficar de Max, mais ele vai gostar dessa pessoa.”
“Nós dois não gostamos da Sra. Patterson, mas ultimamente ela e Max estão estranhamente próximos. Isso não é normal, muito menos para alguém como o meu amigo. Ele corre perigo, tenho certeza...”
Uma história apaixonante e dramática sobre amor, lealdade e sobre o poder da imaginação. Perfeita para qualquer um que já tenha tido um grande amigo – real ou não...

Já faz tempo que namoro esse livro, achei em uma banca de jornal por um preço INCRÍVEL! Pois vem narrar à história de Max uma criança autista, que não gosta de se relacionar com as pessoas, por isso cria Budo seu amigo imaginário que o acompanha para cima e para baixo, em todos os lugares.

A história mostra Max e seu dia-a-dia com seus pais, na escola, porém é tudo narrado e contado pelo seu amigo imaginário Budo. Max é uma criança extramente esperta, porém, Max acaba caindo na conversa de uma pessoa e Budo acaba se distanciando dele e é onde a história mostra a lealdade e o grande poder da imaginação.

Esse livro é muito fofo, é muito amor. É uma história que mexe com a gente, pelo menos eu fiquei bastante tocada, pois, quem nunca teve um amigo imaginário? Eu já! O livro vem nos mostrar a inocência de uma criança, a pureza, a lealdade e a esperteza.

Apesar de ser um livro fofo confesso que por vezes teve uma narrativa maçante, a narração de Budo era cansativa, era maçante, mas, ao mesmo tempo prendia, sempre queria saber o que iria acontecer. Por fim, o livro teve um final satisfatório e lindo. Gostaria de ter um Budo, gostaria que todas as crianças tivessem um Budo.

Obsevarções sobre o autor/livro:

Matthew Dicks é escritor e professor. Em 2009, publicou o seu primeiro romance, Something Missing, e, assim, realizou um dos sonhos de infância, e desde então foi traduzido em seis línguas diferentes. Um ano depois, no outono de 2010, publicou seu segundo romance, Unexpectedly, Milo.
Seu terceiro romance. Memórias de Um Amigo Imaginário, foi publicado nos EUA em agosto de 2012 foi traduzido para 14 idiomas em todo o mundo. No Brasil fou publicado em 2012 pela Editora ID com um total de 432 páginas. Classificação: 3/5.

Comentários via Facebook

6 comentários:

  1. Já li alguns livros com protagonistas autistas, mas nunca com criança, então imagino que seria uma experiência bem interessante. Criança por si só já é bem ingênua e acaba indo na onda dos mais espertos, e uma com autista deve sofrer um pouco mais com isso, por mais que eles sejam bem inteligentes também. Deve ser um livro pra pensar bastante mesmo!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim é um livro que nos faz pensar bastante e nos faz entender melhor a pessoa com autismo

      Excluir
  2. Oi
    parece ser uma boa história, e que bom que gostou e que ficou curiosa mesmo a leitura sendo maçante em alguns pontos, já li um livro com uma criança autista e super indico chamado o menino feito de blocos.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito boa mesmo! Já anotei sua indicação :)

      Excluir
  3. Oi Brubs!
    Já tinha visto esse livro mas não sabia sobre o que era a história. Apesar dos trechos entendiantes, parece ser uma boa leitura.

    Beijos,
    Sora | Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é muito válida a leitura, se tiver oportunidade não a deixe passar.

      Excluir