Herdeiros de sangue (Livro 2 da trilogia 2323), Bianca Gulim


13/02/2018
Aline Nascimento

Após a revelação do seu verdadeiro inimigo, Celine percebe que a guerra anunciada está cada vez mais próxima. Enquanto se prepara para o inevitável confronto, ela descobre que habilidades em combate não serão suficientes para garantir a vitória. Com um exército pequeno e quase nenhum armamento, a guerreira terá que enfrentar difíceis negociações para conquistar alianças necessárias.
Em uma reviravolta inesperada, um traidor é descoberto. As consequências dessa traição fazem com que Celine precise, mais do que nunca, lutar pela própria vida. Mas também lhe dá a oportunidade de conhecer as motivações por trás das ações do seu maior inimigo. Quando essas informações vêm à tona, superar os rancores do passado se mostra um feito impossível.
Guiada por seu desejo de vingança, Celine começa a enxergar sua benevolência como uma fraqueza. E em 2323, os fracos não sobrevivem. Na guerra, é matar ou morrer. Ela escolheu matar. 
Prepare-se para continuar perdendo o fôlego nessa alucinante sequência de Sobreviventes do Caos. O toque de romance sexy em um enredo repleto de ação vai conquistar você.


Essa resenha contém spoiler do primeiro livro.

Herdeiros de sangue começa exatamente do ponto que terminou Sobreviventes do Caos, assim como Celine descobrimos que ela terá que enfrentar uma guerra interna e externa, afinal seu maior inimigo é seu próprio Pai.

Também descobrimos que um dos homens de confiança de Celine é na verdade um traidor, o que poderia ser uma grande decepção torna-se uma grande oportunidade de descobrir mais sobre seus inimigos.

Para sobreviver e manter seu povo salvo Celine terá que conseguir alianças com a Fortaleza, porém Joseph líder da Fortaleza não está disposto entrar nessa guerra. Apesar de todo mal que seu pai causou ele quer Celine ao seu lado, afinal ele acredita no poder do sangue e sabe que sua filha tem um grande potencial.

Assim como o primeiro livro Herdeiros de sangue é um livro envolvente, cheio de ação, estrategias e que nos deixa instigado pela sua continuação. Bianca construiu uma protagonista que realmente tem o feeling para liderança; e nítido seu crescimento e amadurecimento do primeiro para o segundo livro. Já os personagens secundários cada qual tem sua personalidade e suas características que trazem o diferencial para essa distopia. De forma alguma é um livro previsível, em vários momentos somos agraciados com plot twist  que vamos combinar Bianca sabe fazer isso muito bem.

Mais uma vez fica minha indicação dessa trilogia nacional. Quem tiver interesse poderá adquirir com autora o primeiro livro na edição física ou adquirir pela Amazon os e-books.

E-book: Sobreviventes do Caos
E-book: Herdeiros de Sangue



Observações sobre o autor/livro:

Bianca Gulim, tem 27 anos, nasceu e mora em São Paulo. Formada em Administração, com especialização em Recursos Humanos, hoje se dedica totalmente à escrita. Sempre foi leitora voraz de ficção e fantasia, com uma forte tendência a sagas distópicas e vampirescas. Começou a escrever seu primeiro livro 2323: Sobreviventes do Caos em 2015, publicou de forma independente em formato de e-book. Classificação: 4/5

Conclusão: Maratona Literária de Verão #JornadaMLV


02/02/2018
Aline Nascimento

Já faz alguns dias que encerrou a Maratona Literária de Verão #JornadaMLV, mas ainda não contei como foi meu rendimento durante o período, porém já posso adiantar que tive um rendimento muito bom, apesar de não concluir todos os desafios.

Vamos aos desafios e livros que eu tinha me proposto ler...

• Ler um livro que era pra você ter lido em 2017 
Criaturas e criadores - Histórias Para Dias De Terror, Vários Autores

Lido, inclusive já tem resenha dele aqui no blog.

• Ler um livro com um hype antigo (que já fez sucesso há um tempo) 
Trono de Vidro - Sarah J. Mass

Não li, desafio não cumprido.

• Ler um livro nacional da atualidade (que foi publicado nos últimos 5 anos) 
Uma história de verão - Pam Gonçalves

Troquei pelo livro Herdeiros de sangue da autora Bianca Gulim e consegui fazer essa leitura, desafio cumprido.

• Ler um livro de um autor que você nunca leu antes
Sejamos todos feministas - Chimamanda Ngozi Adichie

Lido, desafio cumprido.

Desafios do Rei e da Rainha:

• Vitor Martins: Ler um conto
Para Cada Infinito (Contar & Criar #2) - Victor Almeida

Lido, desafio cumprido.

• Mayra: Ler um livro comprotagonista feminina
Trono de Vidro - Sarah J. Mass (para essa categoria repeti o mesmo livro)

Não li, desafio não cumprido.


Conclusão: 4 livros lidos, 1 livro não lido e 2 desafios não cumpridos, no geral foi muito bacana participar e considero que li mais do que estou habituada, então considero que foi um sucesso.

Criaturas e criadores - histórias para noites de terror, Vários autores


25/01/2018
Aline Nascimento

Clássicos do medo reinventados por quatro escritores brasileiros, para noites de sustos, terror e gritos.
Quatro dos mais populares autores contemporâneas brasileiros, Raphael Draccon, Carolina Munhoz, Frini Georgakopoulos e Raphael Montes se uniram para reinventar os contos de terror clássicos. Frankenstein vive, e está numa favela do Rio. Rumores indicam que Drácula pode ser o dono de uma nova e badalada boate. Numa faculdade de artes, há uma lenda que diz que um fantasma ajuda belas jovens a cantar num teatro abandonado. Um mistério ronda a vida de um dentista e pai de família que está prestes a descobrir seu lado mais monstruoso. Quatro clássicos do medo reinventados por quatro escritores brasileiros para noites de sustos, terror e gritos.


Criaturas e  criadores contém quatro contos, e não seria justo analisar esse livro no geral, afinal foram quatro autores nacionais que participaram da criação desse livro. Como são contos vou falar de uma forma muito breve.

O primeiro conto é "A criatura" do autor Raphael Draccon. Frankestein está vivo e reside em uma favela do Rio; na minha opinião o conto mais criativo, Raphael nos transporta para dentro da favela do Rio de Janeiro, apesar de ser um conto de terror confesso que dei algumas risadas perante tanta criatividade.

O segundo conto é "Conde de Ville" da autora Carolina Munhóz, o conto tem como referência Drácula, esse foi o conto que menos me envolveu, de uma forma geral não gostei de como ele foi finalizado, esperava um pouco mais.

Já o terceiro conto "Por trás da máscara" da autora Frini Georgakopoulos foi baseado em O fantasma da ópera o mais longo e o mais envolvente, me peguei torcendo para que Christine (protagonista do conto) tivesse um final feliz. O melhor conto na minha opinião.

O último conto "O sorriso do homem mau" do autor Raphael Montes foi reinventado com base no O médico e o monstro somos envolvidos pela característica do autor, quem já leu alguma obra do autor sabe como Raphael trabalha, é o conto mais sangrento.

De uma forma geral é um livro bom, uma leitura rápida, que cumpre seu papel. Não posso deixar de mencionar essa edição da Record, uma edição muito bonita, ilustrações no começo de cada conto, diagramação confortável e capa dura.

Obsevarções sobre os autores/livro

Raphael Draccon, Carolina Munhoz, Frini Georgakopoulos e Raphael Montes. 
Criaturas e criadores - histórias para noites de terror foi publicado em 2017 pelaEditora Record com um total de 244 páginas. Classificação: 3/5

Desafio Livrada 2018


23/01/2018
Aline Nascimento

No ano de 2017 um dos objetivos literários era trazer mais literatura nacional contemporânea para o blog e consegui alcançar o objetivo, já no ano de 2018 um dos objetivos é sair da zona de conforto trazer uma literatura mais diversificada, uma literatura mais rica, sendo assim na meta de 12 livros para 2018 já acrescentei alguns livros desse porte, porém quando assisti o vídeo do Yuri do blog Livrada enxerguei uma oportunidade perfeita para sair totalmente da minha zona de conforto. Em uma postagem no ano passado Metamorfose Literária já tinha falado com vocês dessa minha vontade, dessa forma não poderia deixar de participar pela primeira vez desse desafio. Tenho certeza que não será um desafio fácil como disse não estou acostumada com esse tipo de literatura, mas, em contrapartida estou com muita vontade e confiante que será um ano para adquirir novos conhecimentos enfim vamos ao desafio.



1 - Um livro de poesia nacional contemporânea
O coração disparado, Adélia Prado

2 - Uma distopia 
Admirável mundo novo, Aldous Huxley

3 - Um livro de abordagem metafísica 
A máquina de fazer espanhóis, Valter Hugo Mãe

4 - Um livro de história
Raízes do Brasil, Sérgio Buarque de Holanda

5 - Um livro narrado em primeira pessoa 
O sol é para todos, Harper Lee

6 - Um romance hispano-americano 
Múltipla escolha, Alejandro Zambra

7 - Um livro experimental
Laranja Mecânica, Anthony Burgess 

8 - Um livro com um título impactante
Os miseráveis, Victor Hugo

9 - Um livro ilustrado (*não é HQ) 
O velho e o mar, Ernest Hemingway

10 - Um livro que se passa num país sobre o qual você não conhece nada 
O silêncio da montanhas, Khaled Hosseini

11 - Um livro contemporâneo a si mesmo (que narra o presente)
Orgulho e preconceito, Jane Austen

12 - Um livro que foi lançado no ano que você nasceu 
Relato de um certo oriente, Milton Hatoum

13 - Um livro sobre música 
Ragtime, E. L. Doctorow

14 - Um livro sobre um tema que você acha tabu
Lolita, Vladimir Nabokov

15 - Livro escolhido pelo Yuri
O Obsceno pássaro da noite, José Donoso

Alguns desses livros já estão incluso em outros projetos do blog.

Dom Casmurro, Machado de Assis #3


22/01/2018
Aline Nascimento

Dom Casmurro, produziu um dos maiores livros da literatura universal. Mas criando Capitu, a espantosa menina de "olhos oblíquos e dissimulados", de "olhos de ressaca", Machado nos legou um incrível mistério, um mistério até hoje indecifrado. Há quase cem anos os estudiosos e especialistas o esmiuçam, o analisam sob todos os aspectos. Em vão. Embora o autor se tenha dado ao trabalho de distribuir pelo caminho todas as pistas para quem quisesse decifrar o enigma, ninguém ainda o desvendou. A alma de Capitu é, na verdade, um labirinto sem saída.




Após uma promessa de sua mãe D. Glória, Bento Santiago (Bentinho) é destinado à vida sacerdotal, porém sua paixão por Capitu amiga e vizinha de infância, a menina de "olhos oblíquos e dissimulados" faz com que essa promessa seja "quebrada".
Somos agraciados pela vida e convivência dos amigos e familiares de Bentinho, entre eles, tia Justina, tio Cosme, José Dias entre outros.

Bentinho casa-se com Capitu; mas com o decorrer dos anos vai se tornando-se um perfeito Dom Casmurro, advogado e narrador da sua própria história começamos duvidar das palavras e se perguntar, havia verdade em suas desconfianças contra fidelidade de Capitu ou apenas verdades criadas na mente e nos olhos de um homem doentio de ciúmes.

Machado de Assis nos presentou com uma obra graciosa e incômoda; não é à toa que Dom Casmurro é até hoje reconhecido pela sua qualidade. Após realizar essa leitura é impossível não refletir e leva-se ao questionamento Capitu traiu ou não traiu Bentinho?

Bentinho é um narrador confiável ou talvez sua idade faça que fantasie ou tem crie lapsos de memória, afinal Bentinho já  está em uma certa idade e nos narra toda uma vida que ficou para trás.
Uma coisa é certa, cada leitor fará sua interpretação e chegará em sua conclusão.

Dom Casmurro estava na minhas metas de 2017 e há algum tempo já tinha realizado essa leitura, mas devo confessar que quando um livro torna-se um dos meus preferidos tenho muita dificuldade em expressar em palavras os sentimentos que aquela obra me despertou, só posso dizer que Dom Casmurro é um clássico, uma obra prima que conquistou meu coração.

Obsevarções sobre o autor/livro:

Joaquim Maria Machado de Assis, nasceu dia 21 de junho de 1839 no Rio de Janeiro e faleceu 29 de setembro de 1908; foi um escritor brasileiro, considerado por muitos críticos, estudiosos, escritores e leitores um dos maiores senão o maior nome da literatura do Brasil. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista e crítico literário. Em sua maturidade, reunido a colegas próximos, fundou e foi o primeiro presidente unânime da Academia Brasileira de Letras. É autor de várias obras entre elas
Ressurreição (1872), A mão e a luva (1874), Helena (1876), Iaiá Garcia (1878), Memórias Póstumas de Brás Cubas, (1881), Casa Velha (1885), Quincas Borba (1891), Esaú e Jacó (1904), Memorial de Aires (1908). Dom Casmurro teve sua primeira publicação em 1899 pela editora original H. Garnier. Classificação: 5/5

1001 livros para ler antes de morrer, Peter Boxall #2


18/01/2018
Aline Nascimento

Em uma postagem anteriormente contei para vocês que tinha como objetivo ler vários livros indicados no livro 1001 livros para ler antes de morrer do autor Peter Boxall, na mesma postagem falei dos livros que já tinha lido e livros que já tinha na minha estante, hoje vou falar dos livros que pretendo ler mas ainda não tenho, ou seja, os desejados; lembrando que esse é um projeto para vida não tem prazo de término.
Não tenho intenção de ler 1001 livros por isso selecionei os mais desejados, que já não é pouco então vamos para lista.





  • Desejados

Dom Quixote (1605) - Miguel de Cervantes Saavedra
As viagens de Gulliver (1726) - Jonathan Swift
Razão e sensibilidade (1811) - Jane Austen
Orgulho e preconceito (1813) - Jane Austen
Masfield Park (1814) - Jane Austen
Emma (1816) - Jane Austen
Frankenstein (1818) - Mary W. Shelley
O último dos moicanos (1826) - James Fenimore Cooper
O vermelho e o negro - (1831) Stendhal
O concurda de Notre-Dame - (1831) Victor Hugo
Oliver Twist (1833) - Charles Dickens
Ilusões perdidas (1843) - Honoré de Balzac
O poço e o pêndulo (1843) - Edgar Allan Poe
Os três mosqueteiros (1844) - Alexandre Dumas
A moreninha (1844) Joaquim Manoel de Macedo
O conde de Monte Cristo (1845) - Alexandre Dumas
Jane Eyre (1847) - Charlotte Brontë
David Copperfield (1850) - Charles Dickens
A letra escarlate (1850) - Nathaniel Hawthorne
Moby Dick (1851) - Herman Melville
Memórias de um sargento de milícias (1852) - Manuel A. de Almeida
Madame Bovary (1857) - Gustave Flaubert
Grandes esperanças (1861) - Charles Dickens
Mémorias do subsolo (1864) - Fiódor Dostoiévski
Viagem ao centro da terra (1866) - Júlio Verne
Crime e castigo (1866) - Fiódor Dostoiévski
Iracema (1865) - José de Alencar 
Mulherzinhas (1868) - Louisa May Alcott
O idiota (1868) - Fiódor Dostoiévski
Guerra e paz (1869) - Leon Tolstói
A volta ao mundo em 80 dias (1873) - Júlio verne
Senhora (1875) - José de Alencar
Anns Karenina (1877) - Leon Tolstói
Memórias póstumas de Brás Cubas (1881) - Machado de Assis
A morte de Ivan Ilitch (1884) - Leon Tolstói
O Ateneu (1888) - Raul Pompéia
Os Maias (1888) - José Maria Eça de Queirós
O cortiço (1890) - Aluísio de Azevedo
O retrato de Dorian Gray (1891) - Oscar Wilde
Quincas Borba (1891) - Machado de Assis
As aventuras de Sherlock Holmes (1892) - Sir Arthur Conan Doyle
Drácula (1897) - Bram Stoker
O cão dos Baskerville (1902) - Sir Arthur Conan Doyle
Os sertões (1902) - Euclides da Cunha
Morte em Veneza (1912) - Thomas Mann
Tarzan (1875) - Edgar Rice Burroughs
Ulisses (1922) - James Joyce
A montanha mágica (1924) - Thomas Mann
O processo (1925) - Franz Kafka
O grande Gatsby (1925) - F. Scott Fitzgerald
Mrs. Dalloway (1925) - Virgínia Woolf
O assassinato de Roger Ackroyd (1926) - Agatha Christie
O castelo (1926) - Franz Kafka
O sol também se levanta (1926) - Ernest Hemingway
Ao farol (1927) - Virginia Woolf
Em busca do tempo perdido (1927) - Marcel Proust
Orlando (1928) - Virginia Woolf
Macunaíma (1928) - Mário de Andrade
As ondas (1931) - Virginia Woolf
Reinações de Narizinho (1931) - Monteiro Lobaton
... E o vento levou (1936) - Margaret Mitchell
O hobbit (1937) - J. R. R. Tolkien
Ratos e homens (1937) - John Steinbeck
Vidas Secas (1938) - Graciliano Ramos
Rebecca (1938) - Daphne du Maurier
As vinhas da Ira (1939) - John Steinbeck
Sagarana (1946) - João Guimarães Rosa
Doutor Fausto (1947) - Thomas Mann
O tempo e o vento (1949) - Erico Verissimo
Eu, robô (1950) - Isaac Asimov
O apanhador no campo de centeio (1951) - J. D. Salinger
O velho e o mar (1952) - Ernest Hemingway
O senhor das moscas (1954) - William Golding
Grande sertão: veredas (1955) - João Guimarães Rosa
Lolita (1955) - Vladimir Nabokov
O senhor dos anéis (1954) - J. R. R. Tolkien
Gabriela, cravo e canela (1958) - Jorge Amado
Bonequinha de luxo (1958) - Truman Capote
Ninguém escreve ao coronel (1961) - Gabriel García Márquez
A redoma de vidro (1963) - Sylvia Plath
A paixão segundo G. H. (1964) - Clarice Lispector
O solar (1967) - Isaac Beshevis Singer
Cem anos de solidão (1967) - Gabriel García Márquez
2001: uma odisseia no espaço (1968) - Arthur C. Clarke
O poderoso chefão (1969) - Mario Puzo
Tenda dos milagres (1969) - Jorge Amado
O caso Morel (1973) - Rubem Fonseca
As meninas (1973) Lygia Fagundes Telles
A hora da estrela (1977) - Clarice Lispector
O iluminado (1977) Stephen King
O guia do mochileiro das galáxias (1979) - Douglas Adams
O nome da rosa (1980) - Umberto Eco
A casa dos espíritos (1982) - Isabel Allende
A lista de Schindler (1982) - Thomas Keneally
A coe púrpura (1982) - Alice Walker
O livro do desassossego (1982) - Fernando Pessoa
Memorial do convento (1982) - José Saramago
Neuromancer (1984) - William Gibson
A insustentável leveza do ser (1984) Milan Kundera
Ruído Branco (1985) - Don DeLillo
O conto da aia (1985) - Margaret Atwood
O amor nos tempos de cólera (1985) - Gabriel Garcia Márquez
Linguagem perdida (1986) - David Leaviatt
O pêndulo de Foucault (1988) - Umberto Eco
O evangelho segundo Jesus Cristo (1990) - José Saramago
As virgens suicídas (1993) - Jeffrey Eugenides
O leitor (1995) - Bernhard Schlink
Veronika decide morrer (1998) - Paulo Coelho
Os detetives selvagens (1998) Roberto Bolaño
Dois irmãos (2000) - Milton Hatoum
Reparação (2001) - Ian McEwan
A vida de Pi (2001) - Yann Martel
Budapeste (2003) - Chico Buarque

Improváveis Deslizes, Carol Teles


16/01/2018
Aline Nascimento

Depois da trágica morte de sua irmã, Noah descobriu o que era culpa e ódio. Passou anos arquitetando como reparar o maior de seus deslizes, numa busca incensante que custaria a sua humanidade, e talvez a própria vida.
Em meio a descobertas perigosas, jogos políticos sádicos e um leque de problemáticas relações familiares, o homem solitário tenta encontrar paz em meio a vingança, ignorando as pessoas que gostam dele, mas acolhendo qualquer um que possa vir a ser útil para seus planos. O que ele não esperava, era que as pessoas que viriam a ser úteis para seus planos, pudessem ser as mesmas que gostavam dele.
Sombrio, misterioso e com a narrativa caótica das mesas de poker, Improváveis Deslizes mostra ao leitor que nem sempre é possível procurar por monstros sem se tornar um no caminho. E que mesmo o mais lógico dos nossos erros, podem ser simplesmente improváveis deslizes.

Ebook cedido em parceria com autora

Com apenas dez anos de idade Noah Hazim se vê diante do pior dia da sua vida, a morte da sua irmã de apenas cinco anos, essa dor transformará Noah em um homem frio, calculista, e que não medirá esforços para encontrar o verdadeiro culpado pela morte da pequena Bekah mesmo dezesseis anos após esse crime.

Os Improváveis era um grupo de crianças lideradas pelo "Chefe" Noah, ele acolhia todos que de alguma forma era rejeitados; mas após a morte de Bekah e a transformação de Noah que só busca vingança aqueles Improváveis acabaram se distanciando.

Noah tem um relacionamento muito difícil com seu pai Big Efe um importante político de Vitória, afinal pouco tempo antes de Bekah ser morta ele deixou sua mãe doente para viver com sua nova família, uma senadora, mãe das Improváveis Emily e Zoe o que acabou distanciando Noah ainda mais daquelas Improváveis.

Para que o pai mantenha o tratamento de sua mãe, Noah submete-se a jantares, reuniões, mantém um bom comportamento no âmbito politico e perante as câmeras, mas isso não apaga sua sede de vingança.

Carol Teles construiu uma trama que aborda temas como esquizofrenia, tráfico, jogos políticos, dores, amores e amizades, e em nenhum momento ela perdeu-se na construção dessa história, tanto os personagens principais quanto os secundários são muito bem construídos, cada qual tem suas características e personalidade muito bem formada, é uma história instigante, assim como Noah você quer descobrir quem matou Bekah (vamos combinar que eu não desconfiei em momento algum), apesar de ser um livro com mais de quinhentas páginas torna-se uma leitura rápida. Um ponto negativo que acredito que pode ser melhorado é a revisão, encontrei muitos erros de digitação o que não atrapalhou minha experiência de leitura, mas que certamente poderá incomodar algumas pessoas. Para quem é assinante do kindle unlimited o livro está disponível. Com certeza é um livro nacional que eu recomendo!

Obsevarções sobre o autor/livro:

Carol Teles, sempre soube que seu universo pessoal estaria relacionado aos livros. Assim, tentou, primeiro, exercer a profissão de professora, que não deu muito certo, passando, então, para a de bibliotecária e, atualmente, para a de agente de saúde, além de ser mãe, blogueira e escritora. Leitora compulsiva, tem mais livros em casa do que roupas no armário. Apaixonada por Tolkien e D’Avenia, aprendeu a ser uma boa observadora das pessoas e de fatos da vida. Foi assim que começou a escrever textos pequenos, na escola, até que, de acordo com ela, do nada lhe surgiu uma ideia, a qual logo vislumbrou que culminaria em um livro. Juntou essa intuição à sua segunda grande paixão artística, a música, criando A Mais Bela Melodia. Improváveis Deslizes foi publicado de forma independente no formato ebook em 2017 contendo 571 páginas. Classificação: 4/5

Instagram: @caroltelesbispo
Twitter: @mundirreparavel
Página do Facebook: Carol Teles