RECADO IMPORTANTE


07/06/2019
DIVAGANDO PALAVRAS


Bom dia pessoal!

Como vocês perceberam há algum tempo não está acontecendo postagens aqui no blog, por enquanto todas as postagens está direcionada para o nosso instragram @divagandopalavras 
No momento foi a forma que encontrei de postar mais regulamente já que o instragram é uma ferramenta de utilização mais fácil e rápida. Não estou fechando o blog pode ser que daqui uns meses sinto a necessidade de voltar para essa plataforma mas nesse momento foi a melhor forma que encontrei de continuar compartilhando literatura. 
Obrigada por nos acompanhar por aqui e não deixe de nos seguir lá no insta @divagandopalavras
Um beijo! E até mais!

Harry Potter e a pedra filosofal, J. K. Rowling #HPantesdos30


18/03/2019
DIVAGANDO PALAVRAS

A vida do menino Harry Potter não tem um pingo de magia. Ele vive com os tios e o primo, que não gostam nem um pouco dele. O quarto de Harry é, na verdade, um armário sob a escada, e ele nunca comemorou um aniversário sequer em onze anos.
Até que, um dia, Harry recebe uma carta misteriosa, entregue por uma coruja: um convite para estudar num lugar incrível chamado Escola de Magia e Bruxaria Hogwarts. Lá ele vai encontrar não só amigos, esportes praticados em vassouras voadoras e magia para todo lado, como também seu destino, que espera por ele desde que nasceu... Se ele sobreviver a tudo que esta descobrindo, é claro.

Sei que é difícil. Você vai ser discriminado e isso é muito duro. Mas vai se divertir a valer em Hogwarts. Eu me diverti; e ainda me divirto, para dizer a verdade.
Durante esse mês de Março resolvi enfim colocar mais um projeto em ação. Dessa vez a ideia é ler a série Harry Potter antes do meu aniversário em Maio. Já assisti todos os filmes mas em compensação há alguns anos atrás só cheguei até o terceiro livro. Sendo assim decidi enfim ler essa série por copmpleta. Dessa forma os livros 1, 2 e 3 coloquei para realizar a leitura esse mês, para o mês de Abril ficaram os livros 4 e 5 e em Maio finalizo o projeto com os livros 6 e 7. Para acompanhar todas postangens tanto aqui como no instagram @divagandopalavras só acompanhar pela #HPantesdos30 agora vamos a resenha do primeiro livro da série.

Harry Potter e a pedra filosofal é a construção e a introdução desse mundo mágico. Harry Potter é um garoto de 10 anos que mora com seus tios os Dursley e o seu primo Duda. Seus tios válter e Petúnia sempre deixaram claro para todos que não gostam de Harry assim como seu primo mimado e insuportável Duda. Harry não tem direito nenhum dentro daquela família, seus tios dizem que Harry tem que ser grato afinal depois que seus pais morreram em um acidente de carro eles "alimentam e craim Harry" mas no seu aniversário de onze anos Harry recebe um carta misteriosa e a partir daquele momento toda sua vida muda.

O pequeno Harry para desgoto do seus tios trouxas (trouxas = pessoas que não são bruxos) é na verdade um bruxo assim como foram seus pais, é está sendo convocado para Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, sendo assim J. K. Rowling cria e nos apresenta um mundo fantástico com seus personagens que serão lembrados por todos, suas criaturas, seus feitiços e muitos elementos vão sendo nos apresentados para compor esse mundo. Apenas a criação desse mundo no primeiro livro já seria incrível mas desde o príncipio Harry e então seus melhores amigos Rony e Hermione já são inseridos em uma aventura que coloca todos do castelo em perigo. Quando era apenas um bebê Harry foi o único sobrevivente ao ataque do Lorde das trevas Voldemort, ganhando sua marca uma cicatriz em formato de raio na testa, o bruxo das trevas que nunca deverá ser nomeado será o grande vilão e inimigo dessa história e desde o princípo Harry Potter terá que lutar contra ele para sobreviver.
Mas, daquele momento em diante, Hermione Granger tornou-se amiga dos dois.
Ao fazer a leitura desse livro é nítido porque J. K Rowling conseguiu um dos maiores feitos na literatura, é impossível não querer torna-se parte desse mundo. Hogwarts assim como para Potter torna-se nosso lar também.
Eu! Livros! E inteligência! Há coisas mais importantes, amizade e bravura e, ah, Harry, tenha cuidado!
É uma história muito bem elaborada, cheia de personagens incríveis e vai muito além de uma história infanto-juvenil, esse mundo é cheio de ensinamentos, é comovente acompanhar as amizade criadas, a lealdade desses personagens, a coragem, enfim acho que nunca é tarde demais para se deixar levar pela magia e encantamento dessa saga. Assim que terminei essa leitura mais uma vez assisti ao filme é posso dizer que mesmo com algumas modificações o filme é muito fiel ao livro, e na minha opinião um complementa o outro, é impossível ler essa história sem viasualizar o rosto dos atores do filmes. Enfim caso ainda nçao leu essa série leia e não seja mais um trouxa.
Não faz bem viver sonhando e se esquecer de viver, lembre-se.
Observações sobre autora/livro:

A escritora britânica Joanne Kathleen Rowling nasceu na cidade de Yate, nas proximidades de Bristol, na Inglaterra, em 31 de julho de 1965. Ela se tornaria célebre pela criação do bruxinho Harry Potter, que lhe renderia sete volumes de uma série premiada e aceita quase unanimemente pela crítica e pelo público.
Desde cedo a autora cultivava o gosto da leitura, e vários escritores despertaram na menina o desejo de ser uma escritora. Durante a infância ela nutria um amor incondicional por seus avós paternos, seus prediletos. Sua avó, Kathleen Ada Bulgen Rowling faleceu quando a garota tinha apenas 9 anos. Em sua homenagem, Joanne adota seu nome, representado pela letra ‘K’, para completar seu nome artístico – J.K. Rowling.
Atendendo aos apelos de seus genitores, a criadora de Harry Potter cursou Língua e Literatura Francesa na Universidade de Exeter, ao invés do curso de língua inglesa que pretendia fazer. Após sua graduação, ela deu sequência à formação na capital francesa, aí permanecendo durante um ano. Voltando à Inglaterra, começou a trabalhar na Anistia Internacional em Londres, como secretária bilingue e investigadora. Ansiando por concretizar seu sonho de escrever, deixou o cargo e foi para Portugal no ano de 1991.
Neste país ela dava aulas de Inglês à tarde e à noite e, pela manhã, costumava escrever nas mesas dos cafés do Porto, cidade em que permaneceu por cinco anos. Neste ritmo ela deu início a sua trajetória literária, mais especificamente à criação de sua saga. Ela preservaria a rotina de escrever nos bares, mas seu livro, o primeiro Harry Potter, só foi concluído depois que ela se divorciou do marido, o português Jorge Arantes, e seguiu com sua primogênita para Edimburgo, na Escócia.
Foi uma longa jornada até que Harry Potter e a Pedra Filosofal fosse aceito pelo mercado editorial. A autora teve que realizar um ‘tour’ por diversas editoras, e em 1994 experimentou a miséria e um estado depressivo, até a Bloomsbury decidir lançar sua primeira obra como mais uma na galeria da literatura infantil. Quando enfim ele foi publicado, em junho de 1997, Joanne ministrava aulas de francês. O sucesso foi instantâneo, vieram os primeiros prêmios no campo dos livros para crianças. Ela conquistou até mesmo a premiação de Livro Infantil do Ano, concedido pelo British Book Awards.
Ao negociar seus direitos como autora para os Estados Unidos, por cento e cinco mil dólares, valor inigualável para uma escritora em início de carreira, ela pode deixar as aulas e se devotar integralmente ao restante da saga Harry Potter. Sua obra prosseguiu a trajetória ascendente, mantendo-se sempre nos primeiros lugares entre os livros mais vendidos, tanto na categoria infantil, quanto na adulta.
Os fãs cresceram a cada volume, especialmente quando a saga foi convertida para as telas dos cinemas, em 2001, ampliando ainda mais as vendas dos livros. A ansiedade dos leitores era tanta, que Rowling teve que ceder as suas pressões e antecipar o lançamento do segundo volume, Harry Potter e a Câmara Secreta, de setembro para junho de 1999.
A terceira parte, Harry Potter e o Prisioneiro de Azkabam, publicada neste mesmo ano, em setembro, conquistou ainda mais prêmios e um sucesso ainda maior. Em 2000 Rowling publicou Harry Potter e o Cálice de Fogo e negociou seus direitos literários com uma famosa empresa cinematográfica, cedendo assim os primeiros volumes para lançamento nos cinemas.
Depois vieram Harry Potter e a Ordem da Fênix, em 2003, Harry Potter e o Enigma do Príncipe, em 2005, e Harry Potter e as Relíquias da Morte, em 2007. Hoje ela é a escritora mais rica e poderosa do Planeta, e pode assim converter sua fortuna no auxílio à luta contra enfermidades, a desigualdade e a miséria do mundo. Sua obra já foi traduzida para sessenta e quatro idiomas, e a revista Forbes a considerou, em 2004, a primeira criadora literária a conquistar bilhões de dólares com esta atividade.
Em 2001 ela se casou novamente, com o anestesista Neil Michael Murray, com quem teve dois filhos, David e Mackenzie, além de Jessica, do primeiro matrimônio. Em fevereiro de 2009, ela obteve das mãos de Nicolas Sarkozy, presidente francês, a divisa de Cavaleiro da Ordem da Legião de Honra.

Recepção no Brasil
O livro, no Brasil, foi lançado pela Editora Rocco em 1 de janeiro de 2000.Fora publicado como Harry Potter e a Pedra Filosofal, igualmente em Portugal. A Pedra Filosofal recebeu uma avaliação de 4.5 de 5 por 87 744 avaliações no Skoob.
Pedro Bandeira fez um comentário positivo do livro para a revista Veja em 2014: "O livro merece o sucesso mundial que obteve. Não será diferente no Brasil. Nós, autores brasileiros de literatura para jovens, devemos dar a mão à palmatória: a senhora Rowling conhece o caminho das pedras. Classificação 5/5

Mais que amigos, Lauren Layne


06/03/2019
Brubs.

Será que vale a pena arriscar uma grande amizade em troca de um amor inesquecível?
Aos vinte e dois anos, a jovem Parker Blanton leva a vida que sempre sonhou. Tem um namorado inteligente e responsável, um emprego promissor e a companhia de seu melhor amigo, Ben Olsen, com quem divide um lindo apartamento.
Parker e Ben são tão grudados que muita gente duvida que eles morem sob o mesmo teto sem nunca ter vivido um caso, mas eles não se importam com o que as pessoas pensam. Sabem que não foram feitos um para o outro — pelo menos não para se envolver.
Por isso, quando um acontecimento inesperado faz com que Parker se veja sem namorado e com o coração partido, ela sabe que pode contar com Ben para ajudá-la a sacudir a poeira e partir para outra. Afinal, ninguém seria mais ideal do que seu melhor amigo para lhe mostrar os prazeres da vida de solteiro… certo?

Vou direto ao ponto... Mais que amigos é aquele livro clichê, o diferente na história é que Ben e Parker são amigos desde época da faculdade, durante bons anos fizeram jus ao ditado que homem e mulher podem ser amigos, somente amigos. Mas havia sentimentos em ambos os lados guardados a sete chaves. Desde a faculdade eles moram juntos, hoje cada um tem seu trabalho, mas ainda dividem a mesma casa. Parker namora, ou melhor leva um pé na bunda do namorado e é consolada por Ben seu melhor amigo. Ben é um solteiro convicto leva cada dia uma garota diferente para a cama, esta no auge do sexo. Depois de Parker ter terminando seu namoro, namoro esse que já estava abalado há meses, Parker decide fazer uma proposta para Ben, já que eles se dão tão bem, porque não fazem o mesmo na cama? Parker está sem sexo durante dois meses, tempo em que seu namoro entrou um stand by. Ben, acha estranho no começo, mas aceita porque sempre quis ter Parker em seus braços. O que eles não sabiam é que na cama eles também se daria muito bem; e essa amizade será que vai ficar em pé durante muito tempo?

Bom, não briguem comigo, não é spoiler, maaaas é aquele livro clichê, que já sabemos o que vai acontecer e como vai terminar, tem toda uma trama por trás, brigas e ciúmes e blá blá blá... mas o lado bom que o conteúdo adulto é bem de boa, nada apelativo. Achei uma leitura rápida, com a trama central  boa. Porém o livro nada mais é do que uma boa "sessão da tarde". E ao entrar no Skoob percebi que é o primeiro livro de uma série, vou pesquisar sobre isso... até porque o final do livro não deixou ponta para continuação. Se alguém souber me expliquem nos comentários.

Então fico por aqui, super indico esse livros para vocês que necessitam de algo leve ou está sem nada para ler em domingo preguiçoso.

Observações sobre autora/livro:

Lauren Layne, autora best-seller na lista do The New York Times, Lauren Layne adora escrever comédias românticas. Ela mora em Nova York com o marido. Mais que amigos foi publicado pela Editora Paralela em 2018 com 224 páginas. Classificação: 3/5

No meu sonho te amei, Abbi Glines


27/02/2019
Thiago Rodrigo

Na noite da formatura, Vale McKinley sofre um terrível acidente de carro. Junto com ela está Crawford, seu namorado, que acaba entrando em coma. Eles pretendiam aproveitar o verão fazendo planos para a universidade, com um futuro brilhante cheio de possibilidades. Agora, Vale passa longos dias no hospital, à espera de que Crawford acorde.
Lá, ela encontra por acaso com Slate Allen, colega de faculdade do seu irmão. O garoto aparece regularmente para visitar o tio, que está internado. Quando se esbarram, Vale não consegue negar a atração proibida entre eles. Ela tenta ignorar seus sentimentos, mas não é imune ao charme de Slate. Aos poucos, os dois se aproximam.
Depois de muito relutar em sair do lado de Crawford, Vale cede aos apelos da família e vai para universidade, pensando que o namorado gostaria que ela tocasse a vida. Só que agora a garota está no território de Slate e a história dos dois vai sofrer uma grande reviravolta.

Quando li essa sinopse fiquei empolgado, pois estava precisando de um romance leve e intenso. No passado lia muito os livros da Abbi. Amava aquela série do "sem limites" e fazia muitos anos que não lia nada da autora e essa foi uma oportunidade de conhecer esse novo trabalho.

Vale e Crawford namoravam desde a adolescência, foram o primeiro amor um do outro, estudavam juntos e o plano dos dois eram ir para Universidade. Mas, algo acontece e muda totalmente seus planos. No dia da formatura do ensino médio, um terrível acidente acontece. Vale sobrevive e Crawford entra em coma. E a vida de Vale muda totalmente. Todos os dias, ela vai visita-lo no hospital com a esperança de que ele ira acordar. Sua vida a partir desse momento se resume a isso: idas e vindas ao hospital. Ela não pensa mais no futuro, pois o seu futuro era ao lado de Crawford. E agora? Ela deve seguir em frente? Será que ele faria isso se estivesse no lugar dela?

Afinal quando menos se espera, algo pode acontecer e transformar totalmente uma vida e foi isso que aconteceu com Vale. O nome dele é Slate. O tio de Slate está internado no mesmo hospital com câncer terminal, todos os dias ele passa lá para jogar cartas com seu tio, assim ele se aproxima de Vale. Com o seu jeito garanhão, galinha e encantador, Vale não cai nas suas cantadas, mas os dois vão criando um laço, pois ambos estão passando por algo semelhante. Então, descobrimos que Slate é melhor amigo do irmão de Vale e que ambos frequentam a mesma fraternidade na faculdade. 

Como disse logo acima, a fama de Slate não é a das melhores. Ele usa e descarta as mulheres facilmente. Mas, com Vale, ele percebe que ela é diferente. Mas, e Crawford? Ele ainda não acordou, mas será que um dia vai acordar? Vale tem que esperar por ele ou viver esse sentimento que aos poucos esta crescendo por Slate?

Ela resolve seguir a sua vida e ir para faculdade e lá conhece muitas pessoas e logo percebe que nunca foi ela mesma quando estava com Crawford. Ela sempre era aquilo que ele queria que ela fosse, então os sentimentos que ela sentia por Crawford entra em conflitos. Ela e Slate começam a viver um relacionamento exclusivo e muitos não aceitam isso, pois ninguém entende como Slate quer passar com uma mulher mais que uma noite. Vale é diferente, então será o Slate realmente o amor da sua vida? 

No começo achei a história bonitinha, mas com o passar da trama aquilo foi ficando muito "mimizento" e fez com que eu quase abandonasse o livro. Não gostava de algumas atitudes da Vale, e das cenas hots de Vale e Slate. Como assim ela nunca sentiu isso com Crawford? Então, isso me incomodava. Mas eu queria saber se o Crawford iria acordar e com quem ela ia ficar se isso acontecesse. A curiosidade falou mais alto.

O livro é dividido em duas partes. Li a primeira parte e faltava apenas 30% para eu finalizar a leitura. Quando terminei a primeira parte, pensei várias vezes se iria abandonar ou não, então resolvi continuar e no início da segunda parte não estava entendendo o que estava acontecendo ali e quando eu realmente comecei a entender, meus amores, eu cai da cadeira. Levei uma rasteira tão grande que fiquei minutos parado pensando naquilo. A história tem uma reviravolta tão grande que te tira o chão.

Foi a primeira vez que eu fiquei feliz por não ter abandonado um livro; e me fez refletir sobre uma coisa: Vale a pena abandonar uma leitura? 

Gente, eu não posso dizer o que acontece pois seria spoiler, mas vocês não tem noção da surpresa que eu tive com essa reviravolta. Foi daquelas histórias que quando eu terminei, contei para várias pessoas e toda as vezes que eu contava, meus olhos enchiam de lágrimas. 

Que livro lindo e que reviravolta. Para aqueles que leram; sentiram o mesmo que eu?

Então, se esse livro tiver na listinha de leitura, leiam. O começo é meio bobinho, mas como falei, vale a pena.

Recomendo para aqueles que querem ler um romance com uma reviravolta que vai te fazer transbordar de amor.

Observações sobre autora/livro:

Abbi Glines nasceu em Birmingham, Alabama. Morou na pequena cidade de Sumiton até os 18 anos, quando seguiu o namorado do colégio até a costa. Atualmente ela mora com seus três filhos, sua filhinha Emerson e seu novo marido em Fairhope, Alabama. Autora de diversos livros da lista de mais vendidos do The New York Times, Abbi é viciada no Twitter (@abbiglines) e escreve regularmente no seu blog (www.abbiglines.com).
No meu sonho te amei foi publicado no Brasil pela Editora Arqueiro, lançamento de 2019 contém 240 páginas. Classificação 4/5.

É assim que acaba, Colleen Hoover


21/02/2019
DIVAGANDO PALAVRAS

Um romance sobre a força necessária para fazer as escolhas corretas nas situações mais difíceis. Da autora das séries Slammed e Hopeless.

Lily nem sempre teve uma vida fácil, mas isso nunca a impediu de trabalhar arduamente para conquistar a vida tão sonhada. Ela percorreu um longo caminho desde a infância, em uma cidadezinha no Maine: se formou em marketing, mudou para Boston e abriu a própria loja. Então, quando se sente atraída por um lindo neurocirurgião chamado Ryle Kincaid, tudo parece perfeito demais para ser verdade. Ryle é confiante, teimoso, talvez até um pouco arrogante. Ele também é sensível, brilhante e se sente atraído por Lily. Porém, sua grande aversão a relacionamentos é perturbadora. Além de estar sobrecarregada com as questões sobre seu novo relacionamento, Lily não consegue tirar Atlas Corrigan da cabeça — seu primeiro amor e a ligação com o passado que ela deixou para trás. Ele era seu protetor, alguém com quem tinha grande afinidade. Quando Atlas reaparece de repente, tudo que Lily construiu com Ryle fica em risco. Com um livro ousado e extremamente pessoal, Colleen Hoover conta uma história arrasadora, mas também inovadora, que não tem medo de discutir temas como abuso e violência doméstica. Uma narrativa inesquecível sobre um amor que custa caro demais.

É assim que acaba foi um dos melhores livros que fiz a leitura no ano de 2018. Dificilmente não sou arrebatada pelos livros da Colleen Hoover, nesse livro ela consegue mexer fortemente com meus sentimentos, mas foi no final do livro na nota da autora que esse livro me arrancou lágrimas.

Percebi que deve ter sido porque ela é assim varre para baixo do tapete tudo o que a magoa, e nunca mais toca no assunto.

Violência doméstica é o tema principal dessa história, Colleen não romanciou, não camuflou esse tema. Ela nos apresenta uma história dolorosa, porém real. É impossível não nos pegar torcendo para o que está sendo mostrado durante essa narrativa seja uma mentira, um engano. Talvez é assim que muitas mulheres que sofrem violência enxergam, querem acreditar que foi um engano, apenas uma vez, um descuido e que esse ato violento nunca mais irá acontecer.

Fiz essa leitura no começo do ano passado, porém como já mencionei por aqui é muito difícil falar de um livro que lhe envolveu tanto, falta palavras para explicar como essa história é necessária. Leia esse livro envolva-se na vida desses personagens assim como eu fui envolvida.

- No futuro... se por algum milagre você achar que é capaz de se apaixonar de novo... se apaixone por mim. - Ele encosta os lábios em minha testa. - Você ainda é minha pessoa preferida, Lily. E sempre será.
Observações sobre autora/livro:

Colleen Hoover nasceu 11 de dezembro de 1979, em Sulphur Springs, Texas. Ela cresceu em Saltillo, Texas, e formou-se a partir de Saltillo High School, em 1998. Em 2000, ela se casou com Heath Hoover, com quem ela já tem três filhos e um porco chamado Sailor. Colleen se formou na Texas A&M University-Commerce com uma licenciatura em Serviço Social. Ela trabalhou com vários projetos de ação social e de ensino, até começar sua carreira como escritora. É assim que acaba foi publicado pela Galera Record em 2018 com 366 páginas. Classificação: 5/5

Canção de ninar, Leïla Slimani


18/02/2019
DIVAGANDO PALAVRAS

Quem cuida dos seus filhos quando você não está olhando? Apesar da relutância do marido, Myriam, mãe de duas crianças pequenas, decide voltar a trabalhar em um escritório de advocacia. O casal inicia uma seleção rigorosa em busca da babá perfeita e fica encantado ao encontrar Louise: discreta, educada e dedicada, ela se dá bem com as crianças, mantém a casa sempre limpa e não reclama quando precisa ficar até tarde. Aos poucos, no entanto, a relação de dependência mútua entre a família e Louise dá origem a pequenas frustrações – até o dia em que ocorre uma tragédia. Com uma tensão crescente construída desde as primeiras linhas, Canção de Ninar trata de questões que revelam a essência de nossos tempos, abordando as relações de poder, os preconceitos entre classes e culturas, o papel da mulher na sociedade e as cobranças envolvendo a maternidade. Publicado em mais de 30 países e com mais de 600 mil exemplares vendidos na França, Canção de Ninar fez de Leïla Slimani a primeira autora de origem marroquina a vencer o Goncourt, o mais prestigioso prêmio literário francês.

Essa resenha faz parte do #ProjetoPL
Eles têm a sensação de ter encontrado uma pérola rara, de terem sido abençoados. Claro, o salário de Louise pesa no orçamento familiar, mas Paul não se queixa mais. Em algumas semanas a presença de Louise se tornou indispensável.
Nesse momento ela tem a convicção íntima, a convicção ardente e dolorosa de que sua felicidade pertence a eles. Que ela é deles, e eles são dela.
O bebê está morto. Essa é a primeira frase do livro Canção de Ninar da autora Leïla Slimani; ou seja, não há mistério nessa história, a babá Louise matou duas crianças, crianças que ela deveria cuidar e proteger.

Já sabendo como será o termino dessa história vamos adentrando nas vidas de Myriam e Paul, eles constituiram uma família, são pais de Adam um bebê e Mila de apenas cinco anos. Devido a maternidade Myriam acabou deixando sua vida profissional de lado e dedicando-se integralmente essa nova fase da sua vida, porém ela já senti-se preparada e tem muita vontade de voltar para o mercado de trabalho, desse modo ambos concordam que devem primeiro encontrar a babá perfeita que atenda alguns requisitos. Afinal eles precisam de alguém de confiança para cuidar dos seus filhos.

Após várias entrevistas Louise é a babá escolhida, com o passar dos dias o casal não poderia estar mais feliz com a escolha, Louise se mostra uma babá perfeita não apenas dando conta e disciplinando as crianças como também tornado a casa da família um lugar receptivo e agradável a todos. Consequetemente com tantos cuidados o casal agora consegue ter tempo para eles e dedicar cada vez mais a suas vidas profissionais.

Aos poucos Louise vai tornando-se insubstituível, vai tomando conta do lugar, vai tornando-se algo maior dentro daquela família, em alguns momentos eles se sentem incomodados com tanta liberdade, mas ao mesmo tempo se sente na mão dela, afinal ela torna tudo mais fácil dentro daquela casa. 

O diferencial dessa história é já começarmos sabendo aonde essa trama irá nos levar, mesmo assim continuamos a leitura querendo saber o que levou uma babá cometer um crime tão brutal.

Uma história que vale a pena ser lida.

Observações sobre autora/livro:

Leïla Slimani nasceu em 1981 é uma escritora francesa e jornalista de ascendência marroquina. Em 2016, ela foi premiada com o Prix Goncourt por seu romance Chanson douce. 
Slimani nasceu em Rabat, Marrocos e estudou estudos de ciência política e mídia em Paris. Depois disso, ela considerou temporariamente uma carreira como atriz e começou a trabalhar como jornalista para a revista Jeune Afrique. Em 2014, ela publicou seu primeiro romance Dans le jardin de l'ogro, que dois anos depois foi seguido pelo thriller psicológico Chanson douce. Este último rapidamente se transformou em um best-seller com mais de 450.000 cópias impressas dentro de um ano antes mesmo de o livro ser premiado com o Prix Goncourt. Slimani detém uma cidadania francesa e marroquina.

Canção de ninar foi publicado no âmbito do Programa de Apoio à Publicação 2018 do Instituto Francês do Brasil, contou com o apoio do Ministério Francês da Europa e das Relações Exteriores. A publicação brasileira do selo TusQuets Editores (Editora Planeta) possui um total de 191 página.

Prêmio Goncourt
O Prêmio Goncourt (em francês: Prix Goncourt) é um prêmio literário da França, criado pelo testamento Edmond de Goncourt em 1896. A Sociedade Literária dos Goncourt foi fundada oficialmente em 1902 e o primeiro prêmio Goncourt foi concedido no dia 21 de dezembro de 1903.
A premiação é atribuída a um romance para recompensar todos os anos o melhor livro de imaginação em prosa. É o prêmio literário mais cobiçado na França. Os membros da Academia Goncourt reúnem-se a cada primeira terça-feira do mês no restaurante Drouant em Paris. O nome do laureado é proclamado no início de novembro após um almoço no restaurante.
Quatro outros prêmios são também atribuídos: Prix Goncourt du Premier Roman (primeiro romance), Prix Goncourt de la Nouvelle (contos), Prix Goncourt de la Poésie (poesia) e Prix Goncourt de la Biographie (biografia). Destes "seis grandes" prêmios literários franceses, o Prix Goncourt é o mais conhecido e mais prestigiante.

Aos dezessete anos, Ava Dellaira


12/02/2019
Brubs.

Em seu novo romance arrebatador, a autora de Cartas de amor aos mortos apresenta uma mãe e uma filha que precisam compreender o passado para poder seguir em frente.
Quando tinha dezessete anos, Marilyn viveu um amor intenso, mas acabou seguindo seu próprio caminho e criando uma filha sozinha. Angie, por sua vez, é mestiça e sempre quis saber mais sobre a família do pai e sua ascendência negra, mas tudo o que sua mãe contou foi que ele morreu num acidente de carro antes de ela nascer.
Quando Angie descobre indícios de que seu pai pode estar vivo, ela viaja para Los Angeles atrás de seu paradeiro, acompanhada de seu ex-namorado, Sam. Em sua busca, Angie vai descobrir mais sobre sua mãe, sobre o que aconteceu com seu pai e, principalmente, sobre si mesmo.

Marilyn viveu um grande amor aos dezessete anos; desse amor nasceu Angie e por escolha própria resolveu criar sua filha sozinha. Angie cresceu sabendo pouca coisa sobre seu lado paterno, porém sempre teve curiosidade. Angie se envolveu com Sam, um namorado no qual sua mãe não aceitava muito. O que Angie não sabia era que sua mãe sofreu muito quando nova, tinha uma mãe que queria que ela fosse famosa, viviam mudando de casa, pois nunca tinham dinheiro suficiente. Marilyn era obrigada pela mãe a ser modelo, atriz... Sofreu abusos dos produtores, e sua mãe achava normal, mas o que Marilyn realmente queria era ser fotógrafa. Marilyn conheceu o pai de Angie na sua adolescência aproveitava cada minuto com ele, era onde encontrava paz, porém tudo mudou.

Aos dezessete anos, é um livro que me chamou atenção por ser da mesma autora de Cartas de amor aos mortos. O livro nos traz uma relação difícil de mãe e filha, uma nova geração no qual a filha não sabe o que realmente aconteceu com seu pai e vai atrás de resposta.
É divido em partes, parte que narra a história de Marilyn no qual é a melhor em minha opinião e na outra parte que é da Angie, onde é focada a maior parte da história, Angie foge com seu ex-namorado em busca de resposta do pai, será que essas respostas serão positivas? Angie é uma garota teimosa, que para mim pareceu que só pensava em seu próprio umbigo, já sua mãe com todo defeito é doce e vive pela filha.

A história tinha tudo para ser boa, mas foi uma decepção; a história se estendeu muito e perdeu todo o encanto que eu tinha antes de iniciar leitura, cheguei a quase abandoná-lo, mas insiste fui até o fim, mas não teve um grande acontecimento na história, foi mais do mesmo. Mas indico a leitura a todos vai que da certo para você?!

Observações sobre autora/livro:

Ava Dellaira é formada pela Universidade de Chicago e mestre pela Iowa Writers’ Workshop. Ela cresceu em Albuquerque, no Novo México, onde passou incontáveis tardes de verão fazendo poções mágicas, lutando contra bruxas más e se divertindo com outras brincadeiras inventadas, que provavelmente contribuíram para que se tornasse uma contadora de histórias. Atualmente vive em Santa Monica, na Califórnia, onde trabalha na indústria cinematográfica e escreve seu segundo romance. Aos dezessete anos foi publicado pelo selo Seguinte (Companhia das Letras) no ano de 2018 com 448 páginas. Classificação: 2/5